DEPOIS DO FIM DA ARTE


O grupo de pesquisa DEPOIS DO FIM DA ARTE, vinculado formalmente ao Departamento de Artes Plásticas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e certificado pelo CNPq, é aberto à participação de alunos dos cursos de Artes (Audiovisual, Música, Artes Visuais, Artes Cênicas), Arquitetura, Design e Humanidades e coordenado por Dora Longo Bahia.

Partindo da proposta de Guy Debord de que a arte estaria ultrapassada, o grupo surgiu para pensar o papel do artista na contemporaneidade e a relação da arte com o contexto geral – aquele no qual ela se insere e aquele do qual ela se distancia.

O objetivo do DEPOIS DO FIM DA ARTE é promover encontros para estudar a relevância da arte contemporânea, tendo como prioridade a prática artística.

O grupo começou a se reunir em 2015, estudando o conceito de negatividade na obra de diferentes autores e cineastas: Anselm Jappe, Alexandre Kojève, Sigmund Freud, Georges Bataille, Guy Debord, Luiz Rosemberg Filho e Béla Tarr. A partir de 2016, o grupo começou a elaborar projetos práticos, explicitando as controvérsias sobre a função social da arte e o estatuto do artista na contemporaneidade.

Desde então, o DEPOIS DO FIM DA ARTE encontra-se periodicamente para refletir sobre a relação da arte com o contexto atual e colocar em prática essas reflexões.














AINDA NÃO



de 09/03/2017 a 08/04/2017
Galeria Vermelho

Ainda não foi uma ocupação do espaço da Galeria Vermelho, cujo objetivo era refletir, através da prática e do debate, sobre o lugar da arte no horizonte histórico, social e político atual.

A ocupação caracterizava-se como um lugar de ações temporárias que se desenvolveram ao longo do tempo e em um espaço aberto, exercitando uma lógica colaborativa de trabalho.

Participantes: Andrés Suárez, Bruno Ferreira, Bruno Storni, Celso Nino, Dora Longo Bahia, Felipe Salem, Francisco Miguez, Frederico Ravioli, Ilê Sartuzi, Isabella Rjeille, João Gonçalves, Lahayda Dreger, Marina Lima, Pedro Andrada, Renata Pedrosa, Renato Maretti, Talita Hoffmann, Tomas Irici e Victor Maia.



SUBSESSÕES



de 10/03/2017 a 19/05/2017
Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - MASP

Subsessões foi um ciclo de filmes organizado no contexto da exposição Avenida Paulista, no MASP. Foram escolhidos oito títulos que, direta ou indiretamente, problematizam o estatuto do artista no atual panorama histórico, compreendendo a Avenida Paulista como um pequeno paradigma das contradições do Brasil. Entretanto, ao invés de traçar um panorama do cinema brasileiro ou mesmo de obras sobre a Avenida Paulista, optou-se por priorizar filmes que se caracterizassem por seu caráter experimental e inovador e cujos personagens contribuíssem para os questionamentos investigados pelo DEPOIS DO FIM DA ARTE. Do lado de fora da sala de cinema, o grupo organizou um bar em que foram projetados filmes-comentários produzidos especialmente para cada sessão.

Participantes: Andrés Suárez, Bruno Ferreira, Bruno Storni, Celso Nino, Dora Longo Bahia, Felipe Salem, Francisco Miguez, Frederico Ravioli, Ilê Sartuzi, Isabella Rjeille, João Gonçalves, Lahayda Dreger, Marina Lima, Pedro Andrada, Renata Pedrosa, Renato Maretti, Talita Hoffmann, Tomas Irici e Victor Maia.