O grupo de pesquisa DEPOIS DO FIM DA ARTE, vinculado formalmente ao Departamento de Artes Plásticas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e certificado pelo CNPq, é aberto à participação de alunos dos cursos de Artes (Audiovisual, Música, Artes Visuais, Artes Cênicas), Arquitetura, Design e Humanidades e coordenado por Dora Longo Bahia.

Partindo da proposta de Guy Debord de que a arte estaria ultrapassada, o grupo surgiu para pensar o papel do artista na contemporaneidade e a relação da arte com o contexto geral – aquele no qual ela se insere e aquele do qual ela se distancia.

O objetivo do DEPOIS DO FIM DA ARTE é promover encontros para estudar a relevância da arte contemporânea, tendo como prioridade a prática artística.

O grupo começou a se reunir em 2015, estudando o conceito de negatividade na obra de diferentes autores e cineastas: Anselm Jappe, Alexandre Kojève, Sigmund Freud, Georges Bataille, Guy Debord, Luiz Rosemberg Filho e Béla Tarr. A partir de 2016, o grupo começou a elaborar projetos práticos, explicitando as controvérsias sobre a função social da arte e o estatuto do artista na contemporaneidade.

Desde então, o DEPOIS DO FIM DA ARTE encontra-se periodicamente para refletir sobre a relação da arte com o contexto atual e colocar em prática essas reflexões.